Feito vinho em taça para degustação

*Rayane Peres Vilela

**Imagem em destaque:

Artista Sonia Dias Souza

Fotografia de André Nacli/Divulgação

Laços. Criados ou desfeitos. Feito nós. Esperando a aurora celeste em dia  tempestuoso. Véu que encobre o céu. Céu que veste o dia e a noite. Noite  que se aproxima. De mim. De você. Romance a dois. Feito vinho em dia  frio. Estamos tão perto. Proximidade infinita. Como estrelas no céu.  Intrínsecas. Algo me vem em mente. Teu eu em mim. Meu eu em você.  Feito poesia escrita rápida. Dom. Dádiva. Não diferente de antes, mas  igualmente posto como outrora a noite que se aproxima. Ora, ora. Quem  sou quando escrevo? Ninguém. Absolutamente ninguém. Dispo-me.  Despir. De pensamentos. De razões. Apenas emoções. E inicio a escrita.  Sucinta. Às vezes. Outras vezes rende folhas e folhas. Espero ouvir. Ouço.  Uma mesma música, sempre. Sempre quando escrevo. A mesma música  toca. Toca-me. Toca meu ser e me coloca a escrever. Mas creio que nada  sou. Não sou nada, pois como dito antes, dispo-me. Despir. E nada sobra.  Nada me resta. Apenas as emoções. E então, sinto-me, bem. Se não sinto,  nada sou. Compreendem? A noite, por exemplo, o que ela é? Nada? Só a  vejo como emoções em formas de estrelas. Estrelas d’alma. O dia, o  amanhecer, o entardecer, tudo és. Tudo és solicitado. Mas a noite é para aqueles que sonham acordados. E, ao abrir os olhos, feito de maneira eficaz e abruptamente, sentem-se acordados. Mas e eu? Nada sou,  infelizmente. Sou feita da escrita que a alma me propôs. Considero-me  nada, pois é assim que me veem. Julgam-me. Materializam-me. Fazem-me crer nessa “verdade”. E eu, nessa dualidade finita ou infinita entre o tudo  e o nada, encontro-me. À espera de você. Feito vinho na taça. À espera que alguém o faça ser vinho. Realmente vinho. Que alguém o aprecie.  Moderadamente, que seja. Ou exageradamente. Apenas por uma noite.  Escravo das paixões cotidianas e repentinas. O que somos? Senão seres compulsórios e infalíveis? Algo sempre resulta. Mesmo que não seja o  esperado. Esperar? “A espera traz escravidão”. Li em algum poema isso.  E me tocou a alma. Não espero mais. Vou à luta. Diária. Compulsiva.  Frenética. Entre o ser e o existir. Quero, não mais em vão. Ser. Quero, agora não mais como sempre, existir. Só sei que desejo. E o desejo,  provém da razão ou da emoção? Caro leitor, se coloque a pensar, busque  no seu conhecimento a resposta para essa última questão. E então?  Quem é você? Eu já disse, eu sou nada. E desejo. Contudo. Desejo. Agora. 

Outrora, a vida. Seja ela sem rimas, mas parecida com um conto. Ou com  rimas, assemelhando-se à poesia. A mesma música toca. O som do piano.  Sua singularidade e, ao mesmo tempo, dualidade: pluralidade infinita.  Pois toco o céu ao escutar as teclas do piano em sinfonia única e  transitória. Pois sei, e saber não é razão, muito menos emoção. Saber é  dualidade. Transição. Se crio agora uma terceira esfera (como podem  notar), é porque exijo de mim algo além, metafísico, irrestrito. Ainda não  sei como chamar essa terceira e nova esfera. Mas espero declarar que a  mesma te fez crer, por um instante que seja, que a vida é muito mais do  que podemos pensar, do que podemos ver, ouvir, sentir, apalpar,  degustar. A vida contempla três esferas, a saber: a emoção, a razão, e a  terceira esfera, que posso nomeá-la como saber-vida-metafísica. Pois  sabemos que existimos por termos vida e é através da metafisica que as  outras esferas se fazem presente. Não sei. Ao certo. Se soube me  expressar. Com as palavras corretas. Para o seu entendimento. Mas te  peço, com sabedoria, que contemple a música, o elixir do piano. Suas  teclas se movimentando. A mesma canção. O cheiro do vinho e sua  propulsão para o além do agora. Laços. Criados ou desfeitos. Verdades.  Ditas ou resguardadas. À espera de que tudo, ao meu redor, se torne  poesia, não única, mas pluralística. Dançando entre os versos. Degustar  o vinho que toda essa leitura propôs e sorrir. Em meio ao caos do  pensamento que a leitura impôs.

Texto enviado em 01/06/2021 

*Estudante de Letras Inglês EaD na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) – 7º período.

**’Radical’ é a primeira mostra individual da artista Sonia Dias Souza. (Foto: André Nacli/Divulgação)

Comentário da autora:

O texto faz uma analogia com as duas esferas – razão e emoção – e ressurge com uma nova esfera – a metafísica, ou seja, saber-vida-metafísica – que espera do leitor um olhar crítico diante essa nova esfera e sua pluralidade constante. Ir além, é isso que o meu texto deseja. Dizer ao leitor que a vida é mais do que sentir e pensar. A vida se faz presente em tudo o que é, ou tudo o que existe. O texto também traz um tom filosófico, visando a reflexão do leitor e a minha própria. Além de trazer um tom romântico, meu conto se faz presente entre taças de vinho para degustação e um romance existente entre personagens que não lhes nomeio, mas apenas cito “meu eu em você, seu eu em mim” – alusão ao romantismo. E justamente para essa história ser recriada a partir da vida do próprio leitor. Ou seja, cada um escolhe as/os personagens para compor essa história, trazendo à tona características própria da liberdade de escolha e de expressão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s