MULHERES DE TERREIRO 2:

notas biográficas*

Mauricio dos Santos**

Anaxsuell Fernando da Silva***

Maria Genoveva do Bonfim ficou conhecida como Maria Neném ou Mam’etu Tuenda Dia Nzambi, e foi consagrada ao nkisi Kavungo, uma divindade banta retentora da terra. Nasceu em 1865 no Rio Grande do Sul e faleceu em 1945, em Salvador, Bahia. Filha de santo de Roberto Barros Reis, conhecido como Tata Kimbanda Kinunga, africano que foi escravizado no Brasil, e dele herdou o Nzo Tumbensi, afamado terreiro de liturgia Angola mais antigo da Bahia. Maria Neném foi a matriarca de muitos religiosos que originaram outras grandes comunidades afro-brasileiras, como o Terreiro Tumba Junsara e o Terreiro do Bate-Folha (ambos tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o Terreiro Tanuri Junsara e muitos outros no Brasil (ADOLFO, 2009).

*Originalmente publicado pela Revista Calundu, disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistacalundu/article/view/34579/28492

** Universidade Federal da Integração Latino-Americana

***Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Imagem: Autoria desconhecida.

Referências

A CIDADE DAS MULHERES. Direção: Lazaro Faria. Salvador: Casa de Cinema da Bahia, 2005.

ADOLFO, Sergio Paulo. Tata Kisaba Kiundundulu. Maria Genoveva do Bonfim: O Nascimento da Nação Congo/Angola no Brasil. Ombala Tumbansi [Online]. Itapecerica da Serra: Nzo Tumbansi, 2009. Disponível em: <http://inzotumbansi.org/home/maria-genoveva-do-bonfim-o-nascimento-da-nacao-congoangola-no-brasil/&gt;.

AKOTIRENE, CarlaInterseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

BALLESTRIN, Luciana. “Para transcender a colonialidade”. Revista IHU [on-line], vol.431, 2013.

CASTILLO, Lisa Earl. “O terreiro do Alaketu e seus fundadores: história e genealogia familiar”. Afro-Ásia, n.43, 2011.

COSSARD, Gisele Omindarewá. Awó: o mistério dos orixásRio de Janeiro: Pallas, 2008.

COSTA, Beatriz Moreira. Caroço de dendê: a sabedoria dos terreiros: como ialorixás e babalorixás passam conhecimentos a seus filhos. Rio de Janeiro: Pallas, 2002.

COSTA, Beatriz Moreira. Histórias que minha avó contava. Rio de Janeiro: Terceira Margem, 2004.

DION, Michel. Omindarewa: uma francesa no candomblé: a busca de uma outra verdade. Rio de Janeiro: Pallas, 2002.

EVARISTO, ConceiçãoOlhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2016.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GROSFOGUEL, Ramón (comp). El Giro Decolonial: reflexiones para uma diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre, 2007

GISÈLE OMINDAREWA. Direção: Clarice Ehlers Peixoto. Rio de Janeiro: FAPERJ – Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, 2009.

LANDER, Edgardo et al. (Ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

MAKOTA VALDINA – UM JEITO NEGRO DE SER E VIVER. Direção: Joyce Rodrigues. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2012.

MIGNOLO, Walter. Histórias Locais / Projeto Globais – Colonialidade, Saberes Subalternos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MONTERO, Teresa. Chica Xavier: Mãe do Brasil. Rio de Janeiro: Eldorado, 2013.

NASCIMENTO, Elisa Larkin; GÁ, Luiz Carlos. Adinkra – Sabedoria em Símbolos Africanos.Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. “Oyèrónkẹ́ Oyěwùmí: Potências Filosóficas de uma Reflexão”. Problemata, vol.10, n.2, 2019. Disponível em: <doi:http://dx.doi.org/10.7443/problemata.v10i2.49121&gt;. 

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. “Da Necropolítica à Ikupolítica”. Revista Cult Dossiê Filosofia e Macumba, 2020.

NÓBREGA, Cida; ECHEVERRIA, Regina. Mãe Menininha do Gantois: uma biografia. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. La invención de las mujeres. Una perspectiva africana sobre los discursos occidentales del género. Bogotá: La Fronteira, 2017.

PARÉS, Luis Nicolau. A formação do candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: UNICAMP, 2018.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

QUIJANO, Anibal. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”. Colección Sur Sur, CLACSO, pp.107-130, 2005.

QUIJANO, Anibal. “Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina”. Anuário Mariateguiano, Vol.9, n.9, 1997.

RIBEIRO, Katiuscia. “Mulheres Negras e a força matricomunitaria”. Revista Cult Dossiê Filosofia e Macumba, 2020.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das Encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

SANTOS, João Baptista Tobiobá dos. “21 Cartas e um telegrama de mãe Aninha a suas filhas Agripina e Filhinha, 1935-1937”. Afro-Ásia, n.36, 2007.

SANTOS, Maria Stella de Azevedo. Meu tempo é agora. São Paulo: Editora Oduduwa, 1993.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SIMAS, Luiz Antônio; RUFINO, Luiz. Flecha no tempo.Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

SIMAS, Luiz Antônio; RUFINO, Luiz.. Fogo no Mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

SIMAS, Luiz Antônio. Almanaque Brasilidades, Um Inventario do Brasil Popular. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018.

SILVA, Anaxsuell F.; PROCÓPIO, C. Colonialidades do crer, do saber e do sentir: apontamentos para um debate epistemológico a partir do Sul e com o Sul. Revista de Ciências Sociais. Fortaleza, v. 50, n. 2, jul./out.,2019, p. 15–30

SILVA, Vagner Gonçalves da. Intolerância religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: Edusp, 2007.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s